Pitacos Eleitorais

Neste domingo passado, como todos já sabemos, ocorreram as eleições municipais. E como muito tem se divulgado este ano se viu dois partidos se destacando no pleito: o PT e o PSDB. E isso é muito bom para o país, pois são os partidos que mais proporam mudanças e que mais atuaram na democracia brasileira nos últimos anos. Seria o início de uma nova ordem democrática? Sem contar que alguns mitos estão sendo derrubados nas urnas este ano.

  • Nome não ganha mais eleição: as derrotas de Maluf em São Paulo, Gilson Menezes em Diadema e o declínio político de ACM na Bahia e de Garotinho no Rio estão provando que não basta mais ter um nome na política, é preciso ter uma proposta viável, um partido que tenha haver com suas características.
  • Um bom padrinho conta: que o digam Serra e Marta de São Paulo, apadrinhados por Alckimin e Lula, respectivamente.
  • Não existe partido perfeito: o PT demosntrou que também possui os mesmos defeitos dos outros partidos, os quais tanto costuma criticar.
  • Boas alianças contam votos: em Diadema isso aconteceu. Faltou apenas 54 votos para o PL conseguir uma cadeira na Câmara Municipal. Sem contar Edmilson Cruz, do PL, foi o candidato mais votado da cidade e mesmo assim, não foi eleito. Outro exemplo ficou com Zé do Bloco que teve também uma boa votação, porém não foi eleito pois seu partido teve uma votação inexpressiva.
  • No segundo turno as inimizades e as diferenças são esquecidas: Quando se trata de angariar votos, vale tudo. Até buscar apoio dos adversários mais ferrenhos do primeiro turno.
  • Em briga de prefeitura nem governador nem presidente metem a colher: Lamentavel o papelão que Lula e Alckimin estão fazendo nas eleições municipais da capital paulista. O lugar de cada um deles é no seu gabinete governando, não no palanque como cabos-eleitorais de seus partidos.

Faltam 23 dias para o segundo turno das eleições municipais. Dia 31 de outubro, 44 cidades em todo o Brasil voltarão às urnas para escolher os próximos prefeitos. Se for votar, vote consciente. O futuro da sua cidade depende da decisão que você irá por na ponta do seu dedo.