Com apenas 3 votações em 2 dias, Josef Ratzinger foi eleito o novo líder máximo da Igreja Católica Apostólica Romanae adotou o nome de Bento (ou Benedito) 16. De fato, a decisão foi muito mais rápida do que se especulava e o resultado foi o mais óbvio que se esperava. Ratzinger foi o Braço direito de João Paulo II eo eclesiástico mais próximo em ideias que o seu antecessor. O resultado comprova uma tendência conservadora para a Igreja, que tem novos desafios: manter a postura conservadora e conter os movimentos revolucionários que existem dentro dela.

Ratzinger declarou que a barca de Pedro (uma referência a própria Igreja católica, fundada por São Pedro) está afundando. De fato, há uma crise na igreja. Mas a crise de fato acontece porque a Igreja não acompanha a situação da sociedade moderna. O povo de hoje não é mais aquele de 40 anos atrás. Tem uma linha de pensamento diferente e essa linha não vem sendo acompanhada pelos eclesiasticos mais poderosos da igreja, que mantém uma postura conservadora. Com isso o Catolicismo perde adeptos e se enfraquece.

A eleição de Ratsinger vem sendo criticada por alas liberais da Igreja Católica além de outros grupos não-católicos que seriam prejudicados com uma postura conservadora da Igreja tais como os grupos feministas que pleiteiam um maior espaço na Igreja, grupos homossexuais que desejam o reconhecimento da diversidade sexual, grupos defensores da Teologia de Libertação, tanto combatida por Ratzinger, e também grupos defensores do sexo seguro, já que a igreja condena qualquer prática contraceptiva.

Assim, Bento 16 assume a nau de Pedro não afundando, mas em estado de motim, devido aos constantes problemas que irá enfrentar dentro de seus próprios domínios.