Um Registro Da Copa Do Mundo

Recebi estas fotos e acredito eu que quem as tirou fazia parte da delegação brasileira na copa. Este é o último registro que eu faço sobre a seleção brasileira nesta copa. Só vou comentar a copa agora depois da final, ou se Portugal de Felipão fizer bonito (o que Parreira não fez) mais tarde contra a França.

Cinelance

O Alvo – com Dida;Os Intocáveis – com Cafú e Roberto Carlos;Missão Impossível – com Juan e Lúcio;Perdidos no Espaço – com Roberto Carlos;Bater ou Correr…em Berlim – com Zé Roberto;Bonitinho, Mas Ordinário – com Kaká;O Último Imperador – com Adriano;Forrest Gump, O Contador de Histórias – com Ronaldinho Gaúcho;Mobbie Dick – com Ronaldo Fenômeno;Entrando Numa Fria – com Juninho Pernambucano;Esqueceram de Mim – com Robinho;Um Morto Muito Louco – com Zagallo;A Espera de Um Milagre – com Parreira;O Poderoso Chefão – com Ricardo Teixeira;O Iluminado – com Zidane;

Tudo levava a crer que a semifinal entre Alemanha e Itália seria decidida nos pênaltis. Mas no final do segundo tempo da prorrogação, dois gols italianos deram fim ao sonho do tetracampeonato alemão em sua própria casa. O curioso é que as três equipes apontadas pelos especialistas como favoritas ao título não apresentaram um bom futebol e estão fora do páreo. Brasil , Argentina e Alemanha apresentaram lampejos de futebol criativo com vários momentos de futebol burocrático e cairam. Brasil e Argentina caíram nas quartas de final, sendo eliminadas por França e Alemanha, respectivamente, e esta última, caiu na semi pela Itália. Como o futebol é imprevisível!

Mundo Cruel A Vista????

A notícia de hoje dos testes militares da Coréia do Norte, claramente como uma espécie de intimidação ao Japão, é um forte exemplo de como a tirania insana pode fazer com a humanidade. Os exemplos de tantos tiranos não deveriam ensinar a humanidade a não delegar suas decisões a pessoas insanas?

Porque O Brasil Perdeu A Copa

A derrota do Brasil na copa ainda é motivo de discussão entre os torcedores. Mas basta um pouco de informação para perceber as causas do fracasso do Brasil na copa de 2006. Jornais indicam que houve um racha no grupo de jogadores. De um lado os jogadores experientes, e de outro, os jovens jogadores, indignados com o tratamento preferencial dado por Parreira aos jogadores mais experientes. Essa situação desconfortável se tornou evidente no desenrolar dos acontecimentos após a derrota. Poucos choraram. A maioria reagiu com certa indiferença após o término do jogo, principalmente o do grupo dos mais experimentados, como se fosse uma tragédia anunciada. No dia seguinte, o grupo se desmonta, cada um seguindo seu caminho, mas todos querendo se esconder da mídia, pois o desgaste seria ainda maior. Vaias e xingamentos acompanharam a despedida do Brasil na Alemanha. E o maior erro de Parreira foi sem dúvida, a perda do controle sobre o grupo. Isso é fato. Por mais que pareça fictício, essa é a hipótese mais provável que explicaria o fiasco da seleção brasileira nesta copa. E a união do grupo é fundamental para foca-la em um objetivo vitorioso. Isto foi visível em 1958, em 1962, em 1970 e em 2002. Como também a sua ausência foi determinante nas derrotas de 1990, 1974, 1966, 1934 e agora.

Sem Titulo 4/7/2006-3:15

“Nem sempre os melhores vencem.”

Autor: Cafu

Quando: 03/07/2006

Ao comentar sobre a derrota do Brasil na copa, ao desembarcar no aeroporto de São Paulo.

Sem Titulo 4/7/2006-3:13

“Não digo que faltou vontade, mas uma reação depois do gol da França. Acho que aceitamos o gol e não tivemos força para buscar uma reação.”

Autor: Cafu

Quando: 03/07/2006

Ao comentar sobre a derrota do Brasil na copa, ao desembarcar no aeroporto de São Paulo.

Sem Titulo 4/7/2006-3:10

“Foi meu último jogo.”

Autor: Roberto Carlos

Quando: 03/07/2006

Do lateral Roberto Carlos, 33, anunciando sua aposentadoria da seleção brasileira.

Sem Titulo 4/7/2006-3:7

“Eu não estava preparado para perder.”

Autor: Carlos Alberto Parreira

Quando: 01/07/2006

Chega a ser irônico o que ele disse, pois apesar de dizer não estar preparado para a derrota, agiu para que ela ocorresse.

A Nossa (falta De) Brasilidade

Após a derrota do Brasil para a França, vaguei pelas ruas do meu bairro, que antes do jogo estavam bonitas e enfeitadas para a Copa do Mundo, com pinturas no asfalto e cordões que pinduravam fitas verde-amarelas, bandeiras do Brasil, e até bolas de futebol. Onde quer que passava em dias de jogo, via orgulhosos brasileiros vestindo camisas azuis ou amarelas em alusão à nossa seleção. Em uma das ruas que eu passava antes do jogo fatídico em que o Brasil se despedia da copa, eu vi um trabalho de fitas penduradas muito bem-elaborado formando uma bela figura, em mosaico, com as fitas da bandeira do Brasil, que achei muito lindo.Mas naquele momento vi o tamanho do orgulho que sentimos pelo nosso país. Aqueles belos enfeites foram, em um rompante de revolta, destruídos. Cordões de fitas viraram lixo, amontoadas pelas ruas. Bandeiras do Brasil rasgadas, pessoas cabisbaixas, tristes, algumas com olhos marejados, pois choraram a derrota. Na quermece que houve naquela noite, você podia contar nos dedos as pessoas que usavam alguma roupa alusiva ao Brasil (eu estava incluído neste grupo).Logo cheguei a uma triste constatação. O povo brasileiro só sente orgulho pelo país quando sua seleção está jogando na copa do mundo. Quando o Brasil perde, esse orgulho, como num passe de mágica, desaparece.Triste é o povo que não ama nem respeita seus símbolos, sua identidade. A esse povo, não recebe o título de nação. É triste imaginar que o nosso país valoriza mais o futebol que a sí próprio. Como uma espécie de apego a falta de heroísmo de sua história. Muitos dizem que Ayrton Senna é um herói nacional. Eu não compartilho dessa opinião. Considero o Ayrton o maior ídolo brasileiro de todos os tempos, não herói. Ídolo é aquele que é um exemplo de vida, um exemplo de virtude para quem ama. Herói é aquele que muda os cursos da história, que faz mudar os rumos de um momento em si. Mas acredito que se o nosso povo tivesse o patriotismo, a garra, adeterminação e a vontade de mudar os rumos da história para vencer como o Ayrton, seriamos uma nação de heróis. E é da derrota do Brasil no sábado quelevo a reflexão de tudo o que somos e vivemos como brasileiros.

A coragem que faltou à seleção brasileira, sobra no time de Felipão. Portugal é um time aguerrido em campo. Vai para as semi-finais com o apoio da torcida brasileira, que credita a ele o triunfo de 2002. Mostra que para vencer a copa não é preciso apenas um bom futebol, precisa também jogar com vontade. E isso ele tem de sobra. Tenho certeza que a copa do mundo será dele, de novo.

O Sonho Acabou

Fiquei atônito com o resultado do jogo. O Brasil perdeu para a França por 1 a 0 e deu adeus ao sonho do hexa. Mas não fiquei atônito com o resultado, e sim com o desempenho covarde de nossa seleção. O Brasil parecia amedrontado em campo e isso refletiu no resultado. O mais medroso de todos foi, sem dúvida, Parreira. Este não armou um time para vencer, mas para não perder. E perdeu por falta de ousadia. Perdeu por falta de coragem, perdeu pois não jogou com a virtude dos vencedores.Agora a Copa do Mundo virou uma mini-eurocopa.