Por Que Cada Governo Quer Resolver Os Problemas A Seu Modo?

Neste final de semana, li no jornal “Folha de São Paulo”, em sua edição online que o governo do estado de São Paulo estaria boicotando programas de saúde do governo federal. Os programas SAMU e UPA não possuem participação do governo estadual, onde o governo federal e o município arcam meio a meio os recursos de funcionamento. Por outro lado, o governo do estado tem o programa AME que de certa forma, é redundante, pois possui características similares a das UPA’s, exceto por se tratar de uma clínica de especialidades. Essa situação possui uma explicação clara: uma política narcisista e egoísta.

Ninguém quer dar o braço a torcer. O principal problema é que mesmo sendo uma solução boa e adequada, pode sofrer um absurdo boicote, simplesmente porque, o governo é de oposição. Por outro lado, é preciso se não for possível implantar uma solução nacional, auxiliar e apoiar soluções locais. Mas o boicote partiu do governo estadual paulista, que além de não apoiar a implantação de programas federais de saúde, não aceitou o repasse de verbas proposto pelo governo federal para estes programas.

Não se deve resolver a seu modo, os problemas da população. É preciso um esforço sinérgico de todas as esferas governamentais para que a saúde da população receba o tratamento adequadamente digno, e para todos.


Se gostou do texto, divulgue a seus amigos e participe da campanha Reage, São Paulo, escrevendo a hashtag #reageSP em suas mensagens no Twitter, contra 16 anos de inércia e desrespeito dos governos tucanos em SP.

Educação: Um Descaso Em Sp

Uma notícia me estarreceu bastante, esta manhã. Quase a metade dos professores que ministram aulas nas escolas públicas de São Paulo são temporários. Isto é um fato gravíssimo, que denota o descaso do governo do estado na educação do povo paulista.

Você que já se formou ou está na faculdade me pergunta o que temos a ver com isso. O fato de muitos professores serem temporários acabam por aumentar e muito, a rotatividade do corpo docente nas escolas estaduais. Acaba-se criando uma situação de incerteza. De um lado, professores que não recebem a confiança do estado vão procurar outras oportunidades e acabam por sair de suas turmas, e por outro, os alunos acabam sofrendo com a troca constante de professores, pois cada professor possui sua própria metodologia de ensino e isto provoca estresse, atritos, descontentamento e até mesmo a evasão escolar. Este não é o único problema da educação em SP. Muitas das escolas estão em péssimo estado de conservação, pondo em risco a saúde e a segurança dos alunos. Os professores não recebem uma remuneração condizente à importância de sua função, sendo que muitos tem de trabalhar em duas ou mais escolas para compor a renda, sem contar que isto tira-lhes o tempo necessário para preparar suas aulas, além de se atualizar, com cursos de mestrado e doutorado. É um absurdo um oficial de justiça, que desempenha uma função burocrática, ganhar mais do que um professor. Acrescente que a métrica de avaliação dos alunos é inadequada, o material e as metodologias de ensino estão obsoletas e que a mentalidade do jovem é altamente influenciada pela mídia. Tudo isso culmina em um estado crítico, com uma queda acentudada da qualidade de nossa força de trabalho, devido a uma escolaridade deficitária de conteúdo e baixa qualificação. A educação, ou melhor, a transmissão de cultura e conhecimento a crianças e jovens é de fundamental importância para dar sustentação ao estado e garantir desenvolvimento a longo prazo. Uma educação com qualidade deficitária causa um impacto terrível em todos os aspectos relativos ao estado. Provoca uma queda na qualidade profissional, aumenta o risco de erros causados por imperícia, reduz a capacidade inovadora e desenvolvedora e acaba por aumentar a segregação social, culminando com o aumento do desemprego e da criminalidade.

Segundo o governo do estado, já foi realizado um concurso público para o preenchimento de 10.000 vagas de professor, e que estes estão sendo capacitados para começar a exercer suas atividades pedagógicas, ano que vem. Porém nota-se uma política no mínimo insipiente de um governo que está em uma hegemonia de 16 anos e que somente governa de fato em 4: os últimos anos de seus mandatos.

Por isso preste bem atenção, cidadão paulista, ao votar nesta eleição. Porque aquele jovem que está recebendo uma educação ruim hoje, pode ser o seu filho, ou ainda poderá ser seu empregado, colega de trabalho, ou, na pior das hipóteses, aquele que estará assaltando você ou sua residência ou tirando sua vida ou de um parente seu. Vamos reagir São Paulo?


Se gostou do texto, divulgue a seus amigos e participe da campanha Reage, São Paulo, escrevendo a hashtag #reageSP em suas mensagens no Twitter, contra 16 anos de inércia e desrespeito dos governos tucanos em SP.

Depoimento

Desmotivado, cansado, doente, triste. Vivo em um estado permanente e inércia e frustração, vendo tudo cinzento, mesmo em um convidativo e vívido dia ensolarado. Posso externar sorrisos, mas estes são superficiais. Seria com se estivesse confinado dentro de uma prisão de segurança máxima, esperando a morte ou a liberdade. Tenho a lívida sensação de de impotência, de incapacidade de reagir a a uma situação que aos poucos me aniquila, envenenando-me aos poucos. Estou entregue aos ímpios, invisíveis e que residem em minha mente me rebaixando ao nível de um maldito carrasco. A pior coisa da vida é ver a vida passar e não ter forças para fazer esta ter sentido, valer de fato a pena. Não entendo porque isso me acontece. Talvez porque me dei conta que o tempo passou e fiquei. Talvez seja o momento de mudar, de transformar o segundo num momento de inspiração, que é o que me falta. Estou olhando para trás e vejo que o meu passado me prende a meu presente e cerceam meu futuro. Tento esquecer o ontem, mas este se tornou hábito. Antes eu olhava cabisbaixo, passei a olhar de cabeça erguida e agora estou cabisbaixo outra vez. Agora é hora de tomar partido, erguer a cabeça e ir em frente.

Brasil: Um País Vítma De Seu Passado

Estamos em 2010. Com 510 anos de história, o Brasil vive hoje um período de crise institucional e social. Não existe uma identidade nacional neste país. Temos uma mesma língua, mas não temos um sentimento de orgulho, nem mesmo um desejo de reverter um quadro perverso e expúrio ao qual estamos subjugados. Mas nossa história ajuda a explicar nossa situação atual.

A história retratada de nosso país é transmitida, registrada e ensinada nas escolas de forma deturpada. Pois o ponto de vista da história é sempre o da classe dominante na época. Assim atos heroicos vindos de classes dominadas sempre são retratados de forma incompleta ou caricata. Isto faz com que tenhamos a aberração histórica de sermos um país sem heróis e sem memória. Sem uma herança histórico-cultural forte, estamos fadados a não ter parâmetros culturais e políticos que nos impelem a um engajamento político-ideológico capaz de tornar o povo brasileiro, um agente ativo. Assim, chegamos a triste constatação, que poucos personagens históricos nos servem de inspiração para o nosso presente. Em alguns períodos da história recente do país, porém, o povo brasileiro ensaiou movimentos populares, que se tivessem uma organização e força maior, culminariam em uma revolução popular comparável até a revolução francesa, não pelo contexto histórico, mas pelo ato vitorioso de um povo. Porém, percebeu-se que a arquitetura institucionalizada do Estado é corrupta e falida, e precisa ser completamente revisada, mesmo que interesses escusos de alguns parasitas de nossa sociedade, que infelizmente estão no poder, trabalhem contra isto. O poder destes, aliado a seu domínio sobre os meios de comunicação produzem uma cultura conformista, individualista e consumista, causando um estado de paralisia e marginalização política.

Se o passado pouco nos inspira, de onde devemos buscar fontes de inspiração e motivação para mudar este país? No futuro. O futuro do Brasil é muito promissor, mas para que este se concretize é preciso agir. Não uma ação pelega e torpe de grupos que jogam o jogam migalhas ao povo em troca de poder e riqueza de forma ilícita. É preciso uma ação reacionária e revolucionária, porém pacífica, que semeie entre nós o desejo de mudança e a atitude para que esta mudança, de fato, aconteça.

Educação E Formação De Massa Intelectual

A educação é um pilar fundamental para o desenvolvimento de um país. Não apenas provendo troca de conhecimento e informação, a educação possibilita a criação do senso crítico, através da reflexão e da discussão de ideias.

Ideias são energia motriz de ações, que por conseguinte, faz com que a sociedade mantenha o dinamismo de ações, para benefício de todos.

Porém o que vemos hoje nas escolas brasileiras, é reflexo de um complô promovido para fazer do povo uma massa de manobra de políticos inescrupulosos. O elemento principal de formação educacional, o professor, é mal-remunerado, mal-preparado e não dispõe de recursos didáticos para transmitir conhecimento aos alunos, que também sofrem com isso, pois a falta de motivação do professor, implica em uma aula de qualidade ruim, levando a uma formação intelectual-cultural deficitária.

O fato é que o conteúdo ministrado nas escolas, nada mais é do que uma forma didática e ilustrada da realidade que nos rodeia. Porém os métodos de ensino aplicados, por serem metódicos e antiquados, provocam ao aluno uma rejeição ao conteúdo, por não se identicar com ele.

A questão da educação é primordial para o desenvolvimento sociocultural e econômico, pois permite através do desenvolvimento intelectual, pessoas com senso crítico mais apurado, além de exercer sua cidadania, como também permite uma capacitação profissional com uma qualificação adequada. Isto ajuda a produzir valor e qualidade a produtos e serviços e conduz o país a um grau de progresso e desenvolvimento elevados. É importante salientar que o papel do Estado neste processo é primordial. Atuando como mecenas, catalizando recursos e promovendo ações estruturais e de investimento, é possível promover um desenvolvimento educacional progressivo e sustentável que sirva de pilar para o desenvolvimento pleno de nosso país.