Rio de lama: a amarga tragédia em nome do lucro

Ao falar dos atentados ocorridos em Paris, muito se questionou da comoção ocorrida em contraste com o quase desprezo diante de um desastre ecológico e humanitário ocorrido em terras brasileiras, há cerca de uma semana.

Desde que foram publicadas as primeiras notícias do rompimento da barragem da mineradora Samarco, que é do grupo da Vale, eu pude acompanhar um drama, e também uma enorme distorção dos fatos.

A imprensa tida como oficial, sequer cita a Vale, como responsável pela tragédia. Também as autoridades preferem atribuir ao desastre a uma fatalidade. 

É notório e descarado a tentativa de encobrir a verdade por trás do mar de lama que soterrou distritos da cidade de Mariana, em Minas Gerais, e tal como um tsunami, vem aniquilando o Rio Doce, deixando sem água populações inteiras de Minas Gerais e do Espírito Santo, tornando-o vermelho de barro contaminado com chumbo e outros minerais nocivos à saúde.

Pra começar, a área da barragem e das comunidades inicialmente devastadas estão isoladas, e o acesso está restrito a boa parte da imprensa, fazendo com que se saiba muito pouco sobre as dimensões do desastre e o real número de vítimas fatais. A imprensa tida como oficial, está tratando de apasiguar os ânimos, dando um tratamento subestimado aos fatos e evitando ao máximo citar os responsáveis. Sequer a Vale, holding da qual a Samarco faz parte, foi mencionada em nenhuma das reportagens televisivas e da grande imprensa escrita.

As autoridades, pressionadas pela opinião pública, somente começaram a cobrar a Samarco responsabilidade e esboçaram punir a empresa só agora, mantendo a Vale incólume. A explicação é simples: a Vale doou cerca de 22 milhões de reais para partidos e candidatos nas últimas eleições. Num universo capitalista como o nosso do Brasil, doações são formas sutis e eufemistas de investir no poder público para garantir o retorno do estado sobre seus interesses.

A Vale é uma força onipresente no Brasil por ostentar uma imagem ilibada, por nada de falho constar na mídia. É o maior exportador mundial de minérios, e grande fonte de divisas para o país. Porém o desastre de Mariana evidencia claramente um processo de maquiagem da sua imagem pública.

O que a Vale, os políticos e a mídia não contavam é que a internet, as redes sociais e a imprensa independente trataram de desmascarar a farsa que está por trás da fatalidade.

Foi divulgado um vídeo denunciando essa fraude midiática. Uma repórter da Rede Globo de Minas Gerais, entrevistava um morador de Mariana, sobre o desastre. Quando o entrevistado começou a denunciar em seu relato o descaso da mineradora e da Vale, a repórter interrompeu a entrevista e o cinegrafista parou de gravar.

Relatos e mais relatos mostram a relação promíscua entre a mídia, a Vale e os políticos nessa história. E enquanto isso, cidades inteiras ao longo do Rio Doce, assistem atônitos e desesperados a agonia do rio que dava a vida e que agora morre, pela ganância de uma grande corporação.

Pergunta-se: havia um plano de emergência? Sistemas de alerta? Formas de impedir que a lama contaminasse o Rio Doce? Pela dimensão do desastre a resposta é negativa para todos os questionamentos. Não se pensou no pior, pois isto gera custos. E para uma empresa que almeja o lucro, qualquer custo é algo dispensável.

Tão dispensável, que hoje vemos o mal da ganância. O maior desastre ambiental e humanitário da história do Brasil não é tratado como tal pela imprensa do próprio país, pois o verdadeiro responsável tratou de corromper estado e mídia de antemão.

Um verdadeiro atentado coletivo contra o país.

Não foi Deus o culpado

Noite sangrenta em Paris. Terroristas transformaram a cidade-luz em um território negro e sombrio. Corpos inocentes tombavam na noite parisiense para saciar a sede de ódio, travestida de vingança e desagravo a uma religião. Mentira! Não é a religião a culpada, é a estupidez.

Noites turbulentas no Brasil. Pseudo-líderes religiosos demonizam pessoas. Seus ‘crimes’? Aceitarem-se como tais, viverem sua diversidade sexual, e assumir sua identidade de gênero, pedindo ao estado “apenas” o que é de direito: dignidade. E motivados por essa demonização, pessoas que seguem esses “líderes” matam, estupram, desrespeitam, agridem e lutam para que os LGBT’s não tenham direito a nada.

Separemos o joio do trigo. As divindades foram concebidas como norte espiritual, como meio de as pessoas buscarem plenitude de vida. O que vemos quando um homem pratica o mal contra seu semelhante motivado pela crença doentia por uma divindade, é buscar na fé um álibi para sua perversidade.

Pois o mal advém de quem o atua, e retrata claramente como sua crença se distorceu e se desvirtuou da convivência pacífica e harmoniosa com seus pares.
Pois o que todas as crenças tem em comum são valores, e muitos desses valores podem ser cultivados até mesmo sem a crença.

Mas a fé busca trazer a nós uma motivação que nos põe além de nossos limites auto-conhecidos. E ao usarmos esta motivação como razão de dolo a outrem, simplesmente contradizemos a estes valores.

Todas as divindades carregam valores, e são valores aceitos por todos. Não devemos desvirtuar a crença para que esta crie monstros que destroem vidas em nome da fé.