Temor e medo

Agora há pouco escrevi em meu outro blog sobre a eleição de 2018 (clique aqui para ler). E aproveito o ensejo aqui, que tenho um pouco mais de liberdade, para bancar o futurólogo. Tive um dia desses uma espécie de premonição e vou compartilhar com vocês a impressão que tive.

Caso Haddad vença a eleição, o seu mandato será muito similar ao segundo mandato de Dilma, com o agravante de que o congresso que irá enfrentar é muito mais reacionário que a atual magistratura. Será preciso uma grande articulação política e um poder de negociação bastante elevado para levar o mandato até o fim, inclusive tendo que permitir que uma parte da agenda imposta pelo atual congresso. Do contrário, a tensão se elevaria e um escândalo novo iria levar Haddad para um impeachment, ou mesmo uma cassação da chapa, já que sua vice é Manuela Dávila, e teria os mesmos problemas de Haddad para governar o país. Uma possibilidade de golpe militar não estaria descartada.

Já com a vitória de Bolsonaro a situação seria de sintonia boa entre ele e o congresso, mas não dele com o povo. Paulo Guedes é neo-liberal, e o neo-liberalismo para um país extremamente desigual como o Brasil é fatal. Empresas estatais seriam privatizadas, como a Petrobrás, os Correios, e o Banco do Brasil.

Desestatizar é reduzir as receitas do Estado e concentrá-las no recolhimento de impostos. Mesmo com uma receita extraordinária, as contas públicas tem crescimento, tanto pelo fator inflacionário, como pelas necessidades do Estado em se manter, o que consumiria esses ganhos. Isso fora o déficit público. Rio de Janeiro e Minas Gerais estão em uma situação de bancarrota, fora outros estados que não conseguem investir ou mesmo manter suas contas em dia. O governo federal precisa socorrer esses estados, e recursos vão ser utilizados. O Estado menor se endivida mais rapidamente e se torna dependente do mercado. O grande filão dos mercados são as dívidas soberanas nacionais. Quanto menor e menos transparente for o país, mais títulos precisa emitir para manter suas contas e quanto menos confiáveis, maior a taxa de juros. Estatais estratégicas são importantes fontes de receita. Com os royalities do pré-sal, por exemplo, o governo poderia ter receita suficiente para bancar um aparato social que reduziria basicamente a desigualdade social. Não a toa que o foco da operação lava-jato foi a Petrobras. O intuito não foi limpar a estatal, mas destruí-la para que o pré-sal fosse entregue quase de graça às empresas petrolíferas internacionais.

Com o recolhimento de impostos e a necessidade de manter o país atrativo ao investimento, a política tributária continuaria inalterada, com benefício aos ricos e prejuízo aos pobres. Na agenda do trabalho, a “solução” de Bolsonaro para o desemprego é a desregulação das relações trabalhistas, o que precarizaria o trabalho e diminuiria ainda mais a renda média do brasileiro. Com salários menores, o brasileiro irá consumir menos e o impacto que deveria ser positivo, se torna negativo, com recessão e volta do desemprego, pois com relações de trabalho mais fracas, fica fácil o desligamento. A economia informal cresceria, e a marginalidade também, aumentando a violência.

A política armamentista de Bolsonaro também torna-se um agravante, pois com a flexibilização do estatuto do desarmamanto, haveriam mais armas em circulação. Porém como há uma burocracia para o porte de armas, somente pessoas com maior poder aquisitivo teriam acesso a armas, tanto em ambiente urbano quanto rural. Isso aumentaria os conflitos no campo, voltando a ter risco de assassinatos de líderes rurais, e massacres. A atuação da polícia seria valorizada, mas a ausência de uma política de preparação de policiais aumentaria a violência policial. Pessoas pobres e negras da periferia tombariam com tiros disparados por armas de policiais. O clima de medo voltaria a reinar nas ruas, tanto pela violência da marginalização da população excluída pelo plano neoliberalista, como pela violência policial. O toque de recolher nas ruas voltaria.

O controle da mídia será com a priorização da Band e Record, grandes aliados dos evangélicos por ceder horários em sua programação para igrejas, e a Globo teria menos espaço na TV aberta, mas não seria incomodada, pois na TV Fechada ainda teria posição hegemônica.

Os direitos humanos seriam constantemente desrespeitados. Há uma grande quantidade de pessoas conservadoras na nova magistratura, o que seria um risco para a pauta progressista. Pode ocorrer a votação dos famigerados projetos de Estatuto da Família, que tornaria ilegal o casamento homoafetivo, e o Escola Sem Partido, que implantaria uma mordaça aos docentes das escolas do país, tanto na questão política, quanto no combate a homofobia, além de tornar o aborto proibido sem excessões. Aumentariam os casos de homofobia, feminicídio e racismo, pois além da legislação, o discurso das lideranças traria legitimidade aos atos de ódio. O Brasil também vai desrespeitar o meio-ambiente, com o afrouxamento de regras para uso das reservas naturais e enfraquecimento da fiscalização de crimes ambientais, por pressão da bancada ruralista.

A insatisfação se elevará, e muitos dos que votaram em Bolsonaro, deixariam de apoiá-lo. Mas com o apoio do congresso, não seria incomodado. Também poderão surgir casos de repressão a sindicatos e movimentos sociais. Poderão até ter vítimas.

Com a insatisfação, Bolsonaro irá tentar uma nova cartada: o conflito armado. Se estabeleceria um inimigo, interno ou externo. Se for interno, seria decretada uma guerra civil, e se externo, seria escolhido um país, como a Bolívia ou, o mais provável que seja a Venezuela. Um conflito armado é uma jogada de altíssimo risco, tanto na imagem externa, interna, perdas civis, perdas financeiras e instabilidade social e política. Haverá agitação popular e a popularidade pode se deteriorar rapidamente, pois o efeito é de bomba de fumaça, ao tentar criar um problema para resolver outros. E a miséria iria assolar o país de vez.

Um golpe para manter Bolsonaro no poder não seria descartado. A instabilidade social e política poderia gerar deserções na sua base, afinal, é preciso ter apoio popular para continuar deputado.

Se houver eleição em 2022, poderá ser a virada da esquerda, ou sua aniquilação total. Haverá campanha mais agressiva da extrema esquerda, pois se houver uma primavera esquerdista, tudo o que for feito seria desfeito, além de garantir um longo período de governos progressistas.

Eu, sinceramente, gostaria de estar errado. O terror e o medo estão cada vez mais presentes. Serão anos difíceis, e espero que sejam curtos, apenas 4 anos mais.