Londres 2012: exemplo de convergência digital

Os jogos olímpicos de Londres de 2012 será marcada como a primeira olimpíada em que a convergência digital ficou tão evidente aos brasileiros. Por TV aberta, através da Rede Record de Televisão, ou fechada, pelos canais SporTV, ou ainda pela Internet por meio do portal Terra, os brasileiros puderam ver os detalhes dos jogos olímpicos, com excelente qualidade de som e imagem, por Banda Larga ou por TV Digital, aberta ou fechada.

Quem tem TV digital móvel ou em casa pôde conferir pela Rede Record e pela Record News a transmissão dos jogos, com qualidade HDTV ao vivo. A transmissão da emissora foi bastante profissional, com poucos problemas. Além dos eventos ao vivo, todos os programas jornalísticos sob a temática dos jogos foram transmitidos ao vivo em HDTV, direto de Londres.

O mesmo ocorreu para quem acompanhou os jogos pela TV fechada pelos canais Sportv. Até 4 eventos eram transmitidos simultaneamente ao vivo em alta definição.

Concorrendo com a TV, o portal Terra disponibilizou na web, pelo PC ou em aplicativos para celular nas plataformas IOS, Android e Windows Phone a transmissão dos Jogos Olímpicos.

Em comparação com as Olimpíadas de Pequim em 2008, os jogos olímpicos de Londres foram os mais digitais até então. Havia na olimpíada anterior a TV digital, porém restrita a poucas localidades, ao qual eu pude acompanhar também por transmissão digital aberta. Porém esta, teve a convergência digital mais presente por três motivos:

  1. Crescimento da TV Digital aberta, com praticamente todas as capitais e grandes cidades cobertas pela transmissão digital.
  2. Crescimento da TV fechada, com uma maciça adesão de assinaturas de TV Paga, além da concorrência ampliada pela entrada das teles no setor.
  3. Crescimento da Internet em Banda Larga, fixa e móvel em diversos locais do país.

Diante deste crescimento, vimos o seu reflexo nas redes sociais. Durante os Jogos Olímpicos, o aumento da audiência das redes sociais se tornou evidente, com a temática dos jogos em grande destaque. O Twitter e o Facebook foram grandes palcos de discussões, onde se comentava de tudo sobre os jogos.

Um diretor da Rede Record, entretanto, considerou nula relação da repercussão midiática dos jogos com nas redes sociais com a audiência da emissora, que não teve considerável aumento, chegando, inclusive a diminuir em alguns horários. Os três fatos ilustrados acima mostraram que hoje, a TV aberta não está sozinha na disputa pela audiência televisiva, concorrendo com a web e a TV fechada.

É a convergência digital o grande rival da TV aberta, agora Digital.

Xíiiiiiiii, Marquinho…

Depois de mostrar quando a TV Digital é um paraíso de entretenimento na Terra, também é hora de mostrar quando a TV Digital dá dor de cabeça, pois nem tudo são flores. Os maiores problemas encontrados na TV Digital são:

  • Duro onde não pega – Só na cidade de São Paulo são quase 30 canais digitais, há algumas cidades onde só pega um canal digital e há outros que nem sinal digital tem, a menos que possa ver pela parabólica, pois algumas emissoras transmitem o sinal digital pela parabólica.
  • Audiência irrisória – A audiência de TV digital aberta ainda está longe do que se possa imaginar. Apesar de a venda de televisores LCD ter alcançado a marca de 18 milhões de aparelhos vendidos em 2010 e 2011, ainda são poucas as residências com aparelhos de TV digital. Em 2009, a audiência de TV Digital ainda não havia saído do traço, ou seja, ainda não tinha 1 ponto de audiência, o que hoje equivale a 60 mil domicílios na grande São Paulo.
  • Tá caro, né? – Mesmo com os preços em queda livre, um aparelho de TV com receptor Digital ainda é caro. Um aparelho de TV convencional custa cerca de R$ 530,00. Um aparelho de TV LCD com conversor digital custa R$ 1.100,00, mais que o dobro do preço. Ainda havia as opções de usar receptores USB para PC ou os Set-top box, que são aparelhos receptores de TV Digital, que não vingaram pois na época que lançaram eram caros demais. Para se ter uma ideia, os receptores no começo da TV digital custavam até R$ 700,00, hoje podem ser encontrados facilmente por R$ 100,00.
  • Oito ou oitenta – O sinal Digital traz a qualidade de som e imagem a TV, mas exige qualidade de sinal. Se o sinal não for satisfatório, ou muito fraco, a imagem some. Ou seja, se não tiver antena boa, esquece. Para isso é preciso uma antena de boa qualidade, de preferência externa, para receber o sinal digital.
  • Obsolescência programada – A TV Digital no Brasil vai fazer 5 anos em dezembro, mas alguns recursos prometidos para ele ainda não foram completamente implementados como a interatividade. E quando estes recursos estiverem prontos e atuantes, quem comprou um aparelho há um ou dois anos, teria um equipamento obsoleto. Isto pode ser frustrante para quem esperava fazer uso de um produto por um longo tempo.