Estação Paulista: “bunitinha”, mas ordinária

A estação Paulista é um exemplo de desorganização e desrespeito ao cidadão, com mal uso do dinheiro público.

Ontem, 9 da manhã, ao ir para a faculdade pela linha 4 amarela do metrô de São Paulo, pude notar uma grande desorganização a ponto de haver um congestionamento de pessoas, na única conexão entre as estações Consolação e Paulista.

Nota-se que por haver uma única conexão, é invevitável, nos horários de pico não haver esse tipo de inconveniente, mas isso poderia ser previsto na construção da obra. Poderia haver mais de uma conexão entre as estações melhorando assim o fluxo de passageiros entre os acessos à estações.

Mesmo a linha 4 ter sido cosntruída como uma parceria público-privada, os subsídios e o uso dos recursos públicos para viabilizar a obra custaram dinheiro público. E o mal uso desses recursos prejudiuca duplamente o cidadão, pois esse recurso poderia ser usado em algo mais importante, ou mesmo de melhor qualidade.

O grande problema do metrô paulista é a grande demanda que não é capaz de comportar. São Paulo é uma cidade muito grande e a malha metroviária não serve a todos os cantos da cidade. Isso torna a linha saturada, com poucas alternativas de viagem e muito sufoco nos horários de pico. E estações que não estão preparadas para esse fluxo, com poucas conexões, ou ligações longas demais. Leva-se, por exemplo, cerca de 5 minutos em passo apressado, para sair da plataforma da estação Pinheiros na linha 4 amarela, para chegar à plataforma da mesma estação, na linha 9 da CPTM. Em nenhuma obra, observou-se medidas que simplifiquem ou facilitem a utilização do usuário, mais para padrões estéticos ou de menor custo.

Por essas e outras, que muita gente vai preferir ir e vir de carro por São Paulo.

Visitando a Estação Pinheiros

2011-05-16_13-07-24_76

Ontem eu saí da faculdade, na região do metrô Tiradentes e fui a estação Pinheiros do Metrô de São Paulo e pude verificar a diferença frente as outras linhas. Ao embarcar na estação Paulista, o primeiro impacto foram as esteiras rolantes de acesso, porém a velocidade poderia causar acidentes aos incautos passageiros. De resto a aparência das estações é igual as outras inauguradas recentemente. Três detalhes me chamaram a atenção durante a viagem: a ausência de condutor, a livre circulação entre os vagões e o traçado sinuoso do percurso tanto em aclives e declives como em curvas para a esquerda e direita, mas a sinuosidade é suave e a viagem é agradável. O fato negativo é que nem nas estações, sequer nos túneis, há sinal ativo de telefone celular.

20110517-101828.jpg

Nota-se que as estações subterrâneas estão em profundidades elevadas, tendo nas estações uma grande quantidade de lances de escadas rolantes. Só a de Pinheiros tem cerca de 5 lances de escadas rolantes da plataforma a superfície. Como a integração com a CPTM ainda não estava pronta, tive que sair da estação e entrar na estação de trem para seguir viagem. Foi uma volta de cerca de 5 minutos caminhando até a plataforma da estação de trem. A previsão é que a integração com o trem esteja pronta em 2 de junho.

2011-05-16_13-07-13_788

Toda a viagem durou 1 hora e 10 minutos, sendo 20 minutos de trem e 50 minutos de metrô. Mas este tempo poderá ser de 10 a 15 minutos quando as estações Luz e República estiverem prontas. Também é preciso investir no Lead (intervalo entre trens) da linha da CPTM que ainda é muito alto, pois fiquei cerca de 10 minutos esperando o trem chegar.

2011-05-16_13-21-29_933

Com estas novidades e ajustes, é bem capaz de fazer o mesmo percurso, no futuro, em menos de 25 minutos.

O apartheid social do Brasil

Ouça este artigo no Gengibre: clique aqui.

Dois fatos ocorridos esta semana no Brasil me motivaram a escrever sobre um assunto que é considerado um tabu entre políticos e toda a sociedade: o apartheid social que ainda existe no país. De um lado vemos uma elite rica, dona do poder e controle político e do outro temos uma grande parcela da população sem acesso aos serviços básicos como educação, saúde e segurança, dependendo das decisões governamentais para usufruir de algum conforto. Os fatos ocorridos no país que inspiraram este artigo foram os protestos contra os protestos dos moradores do bairro de classe média-alta de Higienópolis, na capital paulista contra a construção de uma estação de metrô naquele bairro, aliada à polêmica de livros didáticos distribuídos nas escolas públicas brasileiras com erros graves de ortografia propositais nos livros de língua portuguesa e erros de cálculo nos livros de matemática.

Temos hoje uma educação básica de qualidade ruim, mais pela ausência de recursos do que pelo esforço dos profissionais de educação que heroicamente procuram manter uma educação de nível razoável, nas instituições públicas de ensino, pois amparo financeiro para a educação básica no Brasil resume-se à construção de escolas. A valorização do trabalho do professor e mecanismos que tornem o trabalho do professor melhor e mais digno são relegados a segundo plano, a não ser por cumprimento de metas quantitativas que não traduzem a qualidade do ensino ministrado nas escolas. E para piorar, não procuram oferecer qualidade ao material didático, seja pela obsolescência do material ou pela falta de controle de qualidade. Assim, vemos uma precarização da educação básica em nosso país e isto já traz reflexos na educação superior, pois já sentimos uma carência de mão de obra qualificada.

Já o caso da queda de braço entre o governo e os moradores de Higienópolis vemos claramente o conflituoso embate entre interesse público e interesse de classe social. Não pela atitude dos moradores em não querer a estação, mas pelos motivos os quais esses moradores tem em se opor à construção de uma estação de metrô no bairro. Entre as razões informadas pelos moradores, a principal queixa é que o local traria criminosos para a região. Uma justificativa descabida e apenas destinada a isola-los do restante da população, com ar de superioridade. O governo do estado cedeu e a estação será construída em outro local, o que provocou uma grande polêmica entre os moradores e os populares de outros pontos da cidade. Foi organizado inclusive um “churrascão da gente diferenciada”, um protesto organizado pela internet contra a mudança do local da estação. O protesto serviu para abrir os olhos de muita gente que julgava que a luta de classes já havia sido extinto.

Infelizmente vemos que há uma distância abismal entre ricos e pobres, os primeiros julgando ter o poder herdado dos tempos do início da era republicana e os segundos pelo descaso e falta de igualdade de oportunidades para obter de forma lícita a ascensão social. O estado pode equalizar e extinguir a luta de classes tratando a todos os cidadãos, não importando a classe social como iguais e oferecendo todo o aparato estatal para equalizar este abismo existente entre ricos e pobres, tornando a sociedade mais próspera e socialmente justa.