Pau de bate em Chico, bate em Francisco

Uma reportagem do jornal Folha de São Paulo, no qual um reporter conseguiu emitir 9 identidades em estados diferentes, revela a estrutura falha do Estado em ter o controle sobre seus cidadãos. Eu já escrevi anteriormente sobre o assunto, porém é preciso debater novamente sobre isso.

Além dos problemas de ordem judiciária/criminal, esta prática impossibilita que haja melhores serviços públicos, como saúde, educação, além de gastos desnecessários do Estado com a emissão de documentos, com redundância de dados e permissão à fraudes.

Em 1994, o Plano Real instituiu uma simplificação da administração da política econômica por meio da desindexação econômica, ou seja, antes do plano haviam vários índices para determinar parâmetros de valores, tamto pelos orgãos públicos, como pelo próprio mercado. Assim, com vários índices, a moeda ficava em segundo plano, favorecendo a inflação. Quando desindexou, a moeda, o Real, passou a ser o principal parâmetro, recolocando-o como parâmetro valorado na economia.

Para a política civil, deveria acontecer a mesma coisa. Temos diversos “índices” de identidade, tais como: certidão de nascimento, RG, CPF, título de eleitor, carteira de trabalho, entre outros. Com tantos números de identificação, a estrutura de controle das pessoas por parte do estado fica descentralizada, impossibilitando seu controle.

Com uma base de dados unificada e disponível a todos os serviços públicos (educação, saúde, trabalho, justiça, fisco, previdência, etc.), o Estado fica mais eficiente, tanto para fornecer serviços de qualidade, quanto para aplicar a lei com um maior rigor.

Também pode-se usar essa base de dados para outras organizações, como faculdades, bancos, sindicatos, entidades de classe e partidos políticos, assim como toda a população, permitindo assim que informações públicas também estejam disponíveis à todos.

Um exemplo de um serviço benéfico que surgiria com um cadastro unificado, seria a de um prontuário médico público compartilhado, permitindo que SUS, convênios médicos, hospitais e profissionais de saúde possam escolher o melhor tratamento, com base em seus antecedentes médicos. Na educação, o processo de matrícula, formação e histórico escolar seria simplificado e desburocratizado.

Claro que não é de interesse de muitos políticos que se simplifique a estrutura de identificação brasileiro. Quanto mais burocrático e engessado o Esatado, mais vantajoso para eles. Além disso, muitos destes também praticam fraudes contra o fisco e a falsidade ideológica é um importante recurso, que seria bastante inibido, com uma unificação ideológica.

Pois se a lei é igual para todos, a burocaracia e as falhas também. Pau de bate em Chico, Bate em Francisco.

A maldição do canal 9

Hoje vemos a agonia que enfrenta a Rede TV! com audiência em queda, perda de programas, salários atrasados, e aluguel de programas para igrejas evangélicas. Esta história parece reprise e de fato é. Há cerca de 15 anos a Rede Manchete atravessava o mesmo drama. A coincidência? Ambos podem ser sintonizados pelo canal 9 em São Paulo.

Em 1999, a Rede TV! foi inaugurada no lugar da TV Manchete, que havia sido comprada após uma crise financeira que a emissora enfrentava com atrasos salariais, baixa audiência e sucateamento.

A TV Manchete foi inaugurada em 1983, após a venda das concessões das TV’s Tupi e Excelsior, pelo grupo Bloch, de propriedade de Adolpho Bloch, e além de possuir rádios, era responsável pela revista Manchete, um importante semanal.

O canal 9 em São Paulo ficou por 13 anos fora do ar, antes da TV Manchete. Nela havia a TV Excelsior, que entre 1960 e 1970, era lider de audiência, até sofrer dificuldades, em virtude de se opor ao regime militar (algo similar ocorreu na Venezuela recentemente). Os donos da emissora tiveram seu principal empreendimento, a companhia aérea Panair, impedida de operar e imposta à falência, desmoronando a emissora.

Uma outra coincidência entre as três emissoras, além da crise financeira, é a inovação. A Excelsior invovou tecnologicamente por introduzir no país em 1962 a transmissão de TV em cores no padrão NTSC, sem contar que foi a primeira a intrroduzir a programação vertical (programas semanais em um mesmo horário) e horizontal (programas diários), com pontualidade nos horários. A TV Manchete buscou inicialmente uma programação de primeira classe, e foi a primeira a transmitir o desfile das escolas de samba do Rio de janeiro na Marquês de Sapucaí, além de produzir novelas com temática fora do eixo Rio-São Paulo-Nordeste, com Pantanal, o que garantiu a emissora uma grande audiência. Já a Rede TV! foi inovadora ao ter a transmissão 100% em digital HDTV, inclusive via satélite, e a ser a primeira TV do mundo a transmitir conteúdo em 3D em toda a programação.

Com essa nova crise, a Rede TV! poderá acabar como as outras que transmitiram no canal 9 de São Paulo? Seria o canal 9, a cova da TV brasileira? Aguardamos o desenrolar dos acontecimentos.

#ThankYouSteve

Steve Jobs * 1955 † 2011

O mundo tecnológico perdeu o seu brilho. Morreu ontem Steve Jobs, fundador da Apple, uma das empresas mais inovadoras da atualidade. Sua contribuição para tornar a tecnologia computacional próxima de nós é notável e relevante. Ao fundar a Apple Computer, junto com Steve Wozniak, em 1976, Steve não poderia imaginar que seu estilo rebelde, perfeccionista e visionário pudesse levá-lo tão longe. E nós pudemos ver que a tecnologia ficava cada vez mais pessoal, primeiro com o Apple II, com o Lisa, Macintosh, iMac em nossas mesas, seguido do iPod, iPhone e iPad em nossas mãos. Tudo de uma forma simples de entender e belo de olhar, como toda obra-prima de um grande artista.

Pareciam que Steve e Apple nasceram um para o outro. Quando foi afastado da Apple em 1985, a empresa parecia se sentir sozinha. Seu senso de liderança impunha uma leal competição fazendo com que a inovação surgisse diuturnamente como em uma linha de montagem. Somente em 1996 quando retornou a sua velha casa, que as inovações voltaram a surgir no vale do Silício.

O império da Apple Computer que é hoje, existe graças a seu desbravador. Steve poderia ser comparado a grandes gênios como Newton, Einstein, Chopin e tantos outros, mas prefiro compará-los a conquistadores como Alexandre, o Grande, e tantosn outros que desbravaram e conquistaram rincões deste mundo, com a diferença de não ter disparado um só tiro, ou ter ferido ninguém com lanças ou espadas. Conquistou um mundo inteiro com ideias novas e revolucionárias.

Claro que há controvérsias. Diziam que era exigente demais, que provocava discórdias pois seu poder de persuadir, influênciava seus subordinados a uma lealdade quase cega. Houve também ausações recentes de suicídios entre os funcionários da Foxcomm, na China, onde são produzidos os seus produtos, além do plágio do sistema de interface gráfica da Xerox, que culminou com o surgimento do MacOS.

Mas estes senãos não tiram o brilho de Jobs. Um lider do nosso tempo. Um visionário, um criativo, um descobridor de inovações. Por sua inestimável contribuição à tecnologia, muito obrigado, Steve!

Thank You, Steve!