Senhoras e senhores, amigos do futebol. Estou percebendo que o Santos está caindo de produção, e isto se deve ao calendário futebolistíco brasileiro que é cruel. Sorte do São Caetano que possui uma excelente equipe (diga-se de passagem que o rebaixamento no ano passado foi apenas um acidente de percurso), e acabou sendo beneficiada por esta situação. Notem bem: São Paulo caiu nas semifinais pelo próprio São Caetano, o Inter tentou privilegiar o gauchão e a Libertadores e acabou saindo prematuramente das duas competições, e o Santos, por sua vez, começa a sentir os efeitos de um calendário cansativo para os jogadores. E não venham dizer que os jogadores são pagos pra isso e a obrigação deles é vencer, pois tem de trabalhar muito para estarem aptos a disputar os jogos. Acho que o São Caetano levará o paulistão por duas razões. Primeiro pela vantagem obtida hoje e a segunda pelo Santos ter jogo pela libertadores na quarta e na Venezuela.Agora um outro comentário que faço é que o exemplo do São Caetano sirva de lição ao Corinthians. Fico irritado com as trapalhadas dessa imcompetente diretoria. Não me resta outra alternativa a não ser trair meus ideais. Vou torcer pro timão cair para a série B, este ano.

Sem Titulo 28/4/2007-10:40

O Corinthians tomou um head-shot de snyper em pleno Pacaembu. 2 a 0 Nautico.

Motofone F3 (19/19)

Comprei um celular novo, a título de teste. É o da foto: o Motofone F3 da Motorola. É um celular com design bastante bonito e é ultrafino (0,9 cm de espessura), o que o coloca sob o status de celular ultra-discreto (faça o teste: amarre um cordão no celular, pendure-o no pescoço e em seguida, coloque-o por dentro da camiseta – ele some). Quanto às funcionalidades, ele é tão simples que só serve para falar. O visor não permite acentuação e ainda por cima, parece de papel. É um celular bastante simples, até no preço. Um modelo desses, pré-pago da Vivo custa R$ 99,00. E há quem diga que este celular é quadribanda, o que permitiria por exemplo desbloquea-lo e utiliza-lo com chips de outras operadores. Ou seja: É bonitinho, mas bem ordinário.