Obrigado, Espanha!

A decisão da copa do mundo me deixou satisfeito. Isto pois uma copa do mundo costuma seguir as sombras da copa anterior. A sombra do futebol feio, porém eficiente, do título italiano em 2006 assombrava o Soccer City naquela noite de 11 de julho de 2010. E assim foi o tom desta copa até então com partidas violentas e futebol pragmático de muitas das consideradas favoritas, e assim, uma a uma, foram sendo eliminadas: primeiro a França, depois a Itália, Costa do Marfim, e seguindo esse triste cortejo se foram Inglaterra, Portugal, Brasil (infelizmente, mas com justiça), Argentina, e restou o último dos pragmáticos: a Holanda.

O time holandês é de um pragmatismo irritante. Não ataca, contra-ataca com uma jogada bem manjada. Mas joga nos nervos adversários. Joga sujo, de forma desleal, com muitas faltas, algumas de violência desnecessária, de modo a desestabilizar o adversário e se aproveitando do pior nível de arbitragem das últimas copas do mundo, que não pune, sendo conivente com um jogo sujo de um time que joga como vilão. Infelizmente a seleção brasileira caiu no seu jugo, da mesma forma que tentaria contra a Fúria, felizmente em vão.

O futebol do time espanhol é ofensivo, bem tocado e bem jogado, sem destacar um ou outro e sem jogar todas as fichas nas costas de um jogador. Um time que dá gosto de ver e torcer. Mesmo assim, era uma tarefa herculínea. Vencer um time que não joga e não deixa jogar é um exercício de paciência, quase como um jogo de xadrez que em alguns momentos quase se fez em xeque, não o sendo graças a Casillas.

E assim o jogo foi à prorrogação, sem mudar o panorama do jogo: ataque de guerreiros contra defesa de brucutus. Até que faltando poucos minutos para o final da prorrogação, o momento derradeiro: o gol espanhol selou a derrota do pragmatismo, dos pseudo-tecnicos, da arrogância, da violência, do futebol defensivo e sem emoção. Uma resposta ao futebol de resultado. Uma resposta ao time que não joga para ganhar. Um basta ao futebol que não empolga, que não emociona.

A emoção do título espanhol foi a legítima emoção do futebol. Uma emoção que esperamos ver de novo pelo time brasileiro em 2014.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s