Famílias de comercial de margarina

Dia 31 de março de 2015 marcou um triste episódio da defesa dos direitos humanos e do combate racional à violência. Foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça por 43 votos contra 21, a proposta de emenda constitucional que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos.

Mais uma vez, os políticos do Brasil não entendem e não usam o poder que tem nas mãos com sabedoria. Mais uma vez se atacam os efeitos em vez das causas. Mais uma vez os congressistas brasileiros atuam de forma passional, irracional e irresponsável quanto ao futuro do país e quanto à questão da violência e da questão do menor em situação de conflito com a lei.

O cerne da questão está num dos pontos ao qual os senhores parlamentares, sobretudo a bancada religiosa, não quer mexer, por contrariar seus interesses: a família. É na família onde são cultivados os valores que conduzem a sociedade a uma situação de paz social, ordem e respeito mútuo. Outro ponto importante que também é relegado, por contrariar os interesses dos donos do poder é a educação.

A melhor forma de combater a violência e resolver a questão do menor em conflito com a lei, não é com punição e sim com prevenção. E a prevenção vai muito além da educação familiar, passa pelo planejamento familiar, e até do conceito de família.

O conceito de família é uma questão que a bancada religiosa quer intervir, para impedir o reconhecimento do Estado de casais LGBT com filhos, sejam estes naturais, ou por meio de adoção, como sendo uma unidade familiar, por meio do nefasto estatuto da família.

Esta mesma bancada evita ao máximo tocar em questões delicadas como o aborto ou programas públicos de contracepção. O objetivo é claro: o controle das pessoas através de uma “padronização” e “normatização” do comportamento sexual, como ferramenta de controle, pois diz-se que quem controla o sexo, controla o homem.

Retirar o controle do comportamento sexual da igreja e dar às pessoas o direito de livre arbítrio, seria a abolição do poder e influência desses grupos sobre a sociedade, o que também representaria a perda de seu poder político e social.

Tanto é que o moralismo e ações de cunho excludente e corretivo são a tônica desses grupos. Seria perfeitamente compreensível, porém bastante reprovável, o apoio destes à redução da maioridade penal.

A família é o mote de defesa destes grupos. Porém o modelo de família que estes defendem é um modelo deturpado, excludente e leviano, um modelo aparentemente perfeito aos olhos das divindades que acreditam, que é muito parecido com a família apresentada nos comerciais de margarina. Este tipo de família, não existe: é um modelo utópico, que não deve ser imposto à sociedade, pois é um modelo excludente. Tão excludente quanto milhares e milhares de jovens, que por estar em conflito com a lei, serão afetados por uma solução burra em reduzir a maioridade penal.

Acabar com a impunidade não é jogar o jovem no lixo, como propõe a redução da maioridade penal. A educação do jovem tem que vir desde o começo, com a concepção da família. Pais e sociedade são corresponsáveis pela criação de nossos filhos. Não podemos permitir que a questão sexual e familiar seja banalizada e desmoralizada desta forma. O planejamento familiar, o incentivo a contracepção, a educação familiar e escolar, com a difusão de valores, como o respeito ao próximo, a valorização da vida e o desapego aos valores materiais. Devemos também ter o entendimento de que a mídia, a cultura e a propaganda devem estar em consonância com estes valores, com o combate à propaganda infantil, a democratização da mídia, a regulamentação e fomento à cultura, com o incentivo a movimentos culturais e socieis que privilegiem as raízes brasileiras e os valores humanos.

Por outro lado, devemos punir, sim, aqueles que colocam nossos adolescentes no crime. Temos que também repensar o modelo penal em que vivemos, pois este apenas agrada os aristocratas, que preferem fugir e esconder os problemas, ao invés de enfrentar e solucioná-los. O modelo de prisão como depósito de gente, com superlotação, sem atividades de trabalho e educação, além da reintegração do indivíduo à sociedade, não é a solução efetiva para o problema da violência e da criminalidade, além de ser um ônus para a sociedade, que tem que arcar, além dos custos de operação dos presídios, com o fato de estas pessoas detidas deixarem de contribuir para a sociedade. Temos também que tornar a punição aos aliciadores de menores para o crime e para a prostituição mais rígida. Também temos que observar os pais que não arcam com a educação dos filhos, seja pela questão de formação inadequada para compor uma família, seja pelas ações que os direcionam para valores incompatíveis com o que se espera de um convívio social.

Para resolver a questão do menor, devemos abolir a família do comercial de margarina. Devemos admitir que o modelo familiar é diverso, porém focado em desenvolver crianças e jovens, preparando-as para o convívio em sociedade de forma harmônica e progressista.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s