Qual a padronização para o one-seg?

Muito me intriga uma observável ausência de padrões no formato de transmissão móvel one-seg. Tanto na questão do formato, quanto na do conteúdo, vemos claramente um ausência de padrão por parte de fabricantes de receptores móveis e emissoras de TV.
Os fabricantes de telefones celulares utilizam tela no formato wide e permitem modos de exibição de tela que distorcem a imagem. Diversos aparelhos de GPS e receptores de TV portáteis utilizam o formato standard, o mesmo das tevês convencionais. Essa discordância ocorre também na transmissão. Muitas emissoras utilizam o formato standard, com tamanho de imagem QVGA (320×240 pixels), enquanto outras utilizam o formato Widescreen, com tamanho WQVGA (320×180 pixels). O formato wide pode exibir mais informações, por ser a cópia reduzida do sinal HDTV, porém possui menos qualidade de imagem, por exibir informações em tamanho menor, tornando ilegíveis os caracteres impressos na tela. O sinal QVGA, oriundo da transmissão SDTV, exibe uma imagem menor, por perder as laterais do sinal HDTV, mas tem as informações mais legíveis, e melhor qualidade de imagem.
Assim, a escolha de um padrão de imagem deve recair sobre o formato QVGA para a transmissão one-seg, pois a qualidade da imagem deve estar garantida para o sinal robusto transmitido.
Por fim, os fabricantes podem se adequar a essa padronização pois os controles de renderização são fornecidos por software, bastando para solucionar a questão uma atualização de firmware.
A interatividade, com a implementação enxuta do Ginga, a programação, que pode ter conteúdo diferenciado para os intervalos comerciais, são outros diferenciais a ser explorados no sinal digital móvel, além do acesso à transmissão a locais onde o sinal não chega como o metrô, através de repetidores de sinal. Ainda são questões que ainda não foram plenamente resolvidas, pois ainda não chegaram à um nível de relevância no debate da TV Digital, porém é importante ressaltar o grau de assessibilidade que este modo de transmissão tem em potencial e com isso, uma padronização se fará necessária.

TV Digital no PC usando o Windows Media Center (parte 1)

250255_4478127873631_1696768384_n

Hoje vamos falar de TV Digital no PC. Ao usar o computador você tem a vantagem de gravar, exportar para outros dispositivos (celulares, tablets, gadgets e compartilhar em rede para outros computadores), gravar em DVD, ou até (não recomendado, devido a problemas de Copyright) enviar o vídeo para a web.

Esta primeira parte vai ensinar a instalar um dispositivo de recepção Digital e usá-lo no Windows Media Center.

Primeiramente a escolha do dispositivo é importante: tem dispositivos internos para PC (PCI ou PCIe) ou externos que podem ser usados tanto em PC quanto em notebook (USB 2.0).

IMPORTANTE: o Windows Media Center somente funciona com receptores USB Full-seg, ou seja, somente receptores que recebem canais em HDTV. Receptores de sinal móvel somente (one-seg) não são suportados pelo Windows Media Center (e nem vale a pena, diga-se de passagem usar um sinal de baixa resolução para gravar ou assistir em tela cheia).

Geralmente os dispositivos de recepção digital acompanham de um software para reprodução e gravação, mas apresentam alguns inconvenientes, tais como:

  • São proprietários e pouco padronizados, com problemas de desempenho e compatibilidade com o Windows.
  • Gravam em formatos proprietários ou não compatíveis com outros reprodutores de mídia, de modo a não permitir exportar para outros dispositivos.
  • Podem ocupar muito espaço em disco e iniciar junto com o Windows, reduzindo o desempenho de todo o sistema.

O Windows Media Center é nativo do Windows e integrado ao sistema, além de permitir a gravação de conteúdo que pode ser lido pelo Windows Media Player ou exportado para outros formatos pelo Windows Live Movie Maker.

Ou seja, usando somente de aplicativos do Windows (nativos ou baixados) é possível gravar e editar programas de TV.

Além disso, o Windows Media Center permite a exibição em tela cheia, inclusive em um monitor ou televisão ligada ao PC, por meio de um cabo HDMI ou VGA, fazendo com que você possa usar o computador e assistir televisão ao mesmo tempo. Também você pode transformar, usando o Xbox 360, seu computador em uma espécie de operadora de TV, pois através da rede, você pode conectar o sinal digital remotamente usando o console.

Pela quantidade de recursos, o Windows Media Center é vantajoso em ambiente Windows para a TV digital.

No próximo artigo, vou falar sobre como configurar o Windows Media Center para a TV Digital. Até lá.

Vídeo de Brasil e África do Sul: Gravado do Windows Media Center e Editado no Windows Live Movie Maker (publicado no Facebook)

Os novos reclames

Quando o saudoso Chacrinha dizia “Roda e avisa“, chamando o intervalo comercial, não poderia imaginar que hoje, a propaganda brasileira saltou em produção para um nível internacional. E para a alegria dos amantes dos ditos reclames, a propaganda brasileira também está chegando, mesmo que timidamente à TV Digital. Para quem ainda não chegou à era da TV Digital, nada mudou, mas para quem está vendo seus programas de TV em HDTV percebeu que algumas propagandas passaram a encher a tela, ou seja, passaram a também ser produzidas em HDTV.

Antes apenas veiculadas em horário nobre, agora os comerciais em alta definição podem aparecer a qualquer hora, em qualquer canal, mesmo que o programa onde está inserido não esteja em HD.
Em São Paulo também ocorreu a primeira propaganda eleitoral em alta definição da TV brasileira, quando Gabriel Chalita fez sua explanação pelo PMDB. Imagine se a moda pega…

Xíiiiiiiii, Marquinho…

Depois de mostrar quando a TV Digital é um paraíso de entretenimento na Terra, também é hora de mostrar quando a TV Digital dá dor de cabeça, pois nem tudo são flores. Os maiores problemas encontrados na TV Digital são:

  • Duro onde não pega – Só na cidade de São Paulo são quase 30 canais digitais, há algumas cidades onde só pega um canal digital e há outros que nem sinal digital tem, a menos que possa ver pela parabólica, pois algumas emissoras transmitem o sinal digital pela parabólica.
  • Audiência irrisória – A audiência de TV digital aberta ainda está longe do que se possa imaginar. Apesar de a venda de televisores LCD ter alcançado a marca de 18 milhões de aparelhos vendidos em 2010 e 2011, ainda são poucas as residências com aparelhos de TV digital. Em 2009, a audiência de TV Digital ainda não havia saído do traço, ou seja, ainda não tinha 1 ponto de audiência, o que hoje equivale a 60 mil domicílios na grande São Paulo.
  • Tá caro, né? – Mesmo com os preços em queda livre, um aparelho de TV com receptor Digital ainda é caro. Um aparelho de TV convencional custa cerca de R$ 530,00. Um aparelho de TV LCD com conversor digital custa R$ 1.100,00, mais que o dobro do preço. Ainda havia as opções de usar receptores USB para PC ou os Set-top box, que são aparelhos receptores de TV Digital, que não vingaram pois na época que lançaram eram caros demais. Para se ter uma ideia, os receptores no começo da TV digital custavam até R$ 700,00, hoje podem ser encontrados facilmente por R$ 100,00.
  • Oito ou oitenta – O sinal Digital traz a qualidade de som e imagem a TV, mas exige qualidade de sinal. Se o sinal não for satisfatório, ou muito fraco, a imagem some. Ou seja, se não tiver antena boa, esquece. Para isso é preciso uma antena de boa qualidade, de preferência externa, para receber o sinal digital.
  • Obsolescência programada – A TV Digital no Brasil vai fazer 5 anos em dezembro, mas alguns recursos prometidos para ele ainda não foram completamente implementados como a interatividade. E quando estes recursos estiverem prontos e atuantes, quem comprou um aparelho há um ou dois anos, teria um equipamento obsoleto. Isto pode ser frustrante para quem esperava fazer uso de um produto por um longo tempo.

Gostollllso… Gostolllso…

Agora, com a TV Digital aberta, ficou mais gostoso e muito agradável ver televisão. Este artigo vai comentar algumas das coisas bacanas que a TV Digital está trazendo pra gente.

  • HDTV – A riqueza de detalhes das imagens com som vibrante, ao vivo! Perfeito! Nem com um estoque de bombril na antena das TV’s de antigamente seria possível algo igual. A qualidade de imagem é quase o dobro de um DVD na resolução HD e quase o triplo na Full-HD.
  • Tudo Limpo – Em boas condições de recepção, não há como ter interferências. Nem uma orquestra sinfônica de liquidificadores ou uma ventania fantasmagórica seriam capazes de produzir chuviscos e chiados na imagem da TV. Como o sinal é digital, mesmo que parte da informação se perca é possível reconstruí-la. Isso garante que nada além da informação conste na imagem ou no som.
  • O teleguia dos “pogramas da teveluizão” tá lá dentro – Este recurso o pessoal já viu na TV a Cabo. Saber qual programa está passando e qual a próxima atração, não apenas do seu mas de todos os canais. O velho guia de TV  impresso num livrinho cedeu lugar ao EPG (Electronic Programming Guide ou Guia Eletrônico de Programação). Por ser eletrônico, ninguém tem a dor de cabeça ao saber que a Sessão das Dez do SBT só começaria meia-noite, pois a atualização é imediata. Além disso, tem a descrição do programa no guia para saber do que se trata. Há problemas com o horário de verão, e algumas emissoras não preenchem as informações do EPG corretamente, não é, Globo?
  • Vai onde você for – Quer ver o jogo do seu time ou o último capítulo da novela? Tá na mão! Com a tecnologia one-seg, um telefone celular com receptor de TV Digital móvel pode receber um sinal robusto, mas com qualidade de som e imagem para assistir TV a qualquer hora. E até mesmo no estádio de futebol os torcedores levam seus televisores de bolso para rever os lances e sentir-se como comentaristas esportivos, analisando o replay dos lances ou secando o time adversário.
  • Tem pra todo mundo – Todas as TV’s podem receber o sinal digital. As pequeninas (menores que 12″) usam one-seg, as maiores, mais antigas, recebem o sinal SD, e as modernas vão de HDTV. Não importa o aparelho de TV que você tem, o sinal digital é extremamente versátil, pois o sinal digital é dividido em 13 segmentos. Um para o sinal móvel (one-seg) e outros 12 que podem ser alocados de acordo com o programa: um programa em resolução SD precisa de 4 segmentos, um em HD precisa de 8 e um full-HD, dos 12.
  • Mais de um programa num mesmo canal – A multiprogramação é um recurso para transmitir mais de um programa em um mesmo canal. No entanto, pelas normas da Anatel, somente emissoras de TV públicas podem fazer uso deste recurso. Mas vale a pena. Pra quem curte a TV Cultura, não percam os canais Multicultura e UNIVESP que são bem bacanas. As emissoras comerciais só podem transmitir um programa, em formatos diferentes.
  • Agora é interativa – Com a tecnologia Ginga, que está chegando aos novos aparelhos, você vai poder “conversar” com a TV. Imagine saber o resultado das outras partidas em tempo real durante o jogo que você está assistindo ou ainda, saber a previsão do tempo, a sinopse da novela ou do filme, votar em enquetes, enviar mensagens, ou ainda, comprar ou acessar sua conta bancária. Tudo a um contrôle-remoto de distância. Era tudo que o Hommer Simpson queria.