Qual a padronização para o one-seg?

Muito me intriga uma observável ausência de padrões no formato de transmissão móvel one-seg. Tanto na questão do formato, quanto na do conteúdo, vemos claramente um ausência de padrão por parte de fabricantes de receptores móveis e emissoras de TV.
Os fabricantes de telefones celulares utilizam tela no formato wide e permitem modos de exibição de tela que distorcem a imagem. Diversos aparelhos de GPS e receptores de TV portáteis utilizam o formato standard, o mesmo das tevês convencionais. Essa discordância ocorre também na transmissão. Muitas emissoras utilizam o formato standard, com tamanho de imagem QVGA (320×240 pixels), enquanto outras utilizam o formato Widescreen, com tamanho WQVGA (320×180 pixels). O formato wide pode exibir mais informações, por ser a cópia reduzida do sinal HDTV, porém possui menos qualidade de imagem, por exibir informações em tamanho menor, tornando ilegíveis os caracteres impressos na tela. O sinal QVGA, oriundo da transmissão SDTV, exibe uma imagem menor, por perder as laterais do sinal HDTV, mas tem as informações mais legíveis, e melhor qualidade de imagem.
Assim, a escolha de um padrão de imagem deve recair sobre o formato QVGA para a transmissão one-seg, pois a qualidade da imagem deve estar garantida para o sinal robusto transmitido.
Por fim, os fabricantes podem se adequar a essa padronização pois os controles de renderização são fornecidos por software, bastando para solucionar a questão uma atualização de firmware.
A interatividade, com a implementação enxuta do Ginga, a programação, que pode ter conteúdo diferenciado para os intervalos comerciais, são outros diferenciais a ser explorados no sinal digital móvel, além do acesso à transmissão a locais onde o sinal não chega como o metrô, através de repetidores de sinal. Ainda são questões que ainda não foram plenamente resolvidas, pois ainda não chegaram à um nível de relevância no debate da TV Digital, porém é importante ressaltar o grau de assessibilidade que este modo de transmissão tem em potencial e com isso, uma padronização se fará necessária.

A última alvorada de 2012

31 de dezembro, três da manhã. Ponho-me a escrever. Paro. Penso. Começo a puxar pela memória os outros 365 dias de 2012. Dias de luz, dias de penumbra. Dias de ação, de reação, ou de inação. Dias para esquecer, para lembrar para sempre. Dias em que cresci, e dias que lembrei que precisava crescer. Todos os dias e todas as noites vivemos, mesmo sem perceber. E por ser hoje o último dia de nossas vidas em 2012, convido ao nobre leitor a refletir em todas as direções: o que ficou pra trás (passado), o que está ao seu lado (presente) e o que está a sua frente (futuro).

Recolha do que ficou pra trás aquilo que lhe trouxe sabedoria: as lembranças e as lições de vida lhe serão muito úteis para o que está por vir e você vai precisar deles. Ao seu lado está seus valores, seu caráter e as pessoas que o rodeiam, pois serão excelentes conselheiros e indicarão o caminho e a forma a imprimir seus passos. E à frente existem as oportunidades, os desafios e a incerteza, pois o acaso sempre se faz presente e devemos estar preparados para ele.

Construa, aos poucos, seu destino, não tenha pressa. Uma edificação firme começa por bons alicerces em terreno bem escolhido. Por isso, avaliar seu passado, observar o presente e antever o futuro são os melhores conselhos que alguém possa receber no ano que começa, onde as esperanças se renovam.

Abra a janela, deixe o sol entrar! Seja bem-vindo, 2013!

%d blogueiros gostam disto: