Um dia de domingo

Era um domingo em São Paulo, quando nasceu à luz do meio-dia, um menino branco, filho de uma mulher pernambucana e pai mineiro, ambos operários e colegas de trabalho de uma fábrica de eletrodomésticos.

Difícil imaginar como seriam os dias seguintes: o primeiro choro, as primeiras fotos, o batizado, os primeiros passos, a primeira palavra, os brinquedos, as brincadeiras e os primeiros amigos, o primeiro dia de escola com as primeiras palavras lidas e escritas.

Nascer é uma dádiva. E viver é o seu prosseguimento e justificativa. Por vezes, os dilemas e desatinos nos questionam se viver é de valia, muitas vezes nos colocando em rota de colisão com nós mesmos. Mas basta olharmos para o momento em que a dádiva da existência nos fez surgir, para termos a certeza de que nada ocorreu a esmo em nossas experiências vividas, e que não devemos desperdiçar cada minuto em lamentações pelos desatinos que sofremos.

Pois o tempo é um bem precioso, finito e não-renovável.

Sempre lembramos disso quando relembramos o dia que nascemos, data essa chamada de aniversário, estando acompanhados dos melhores amigos, ou abraçado à fria solidão.

Até hoje, se passaram trinta e quatro anos. E, coincidentemente, é domingo, o mesmo dia da semana em que nasci.

Pode significar nada, absolutamente, mas é um dia inteiro em que podemos memorar, refletir, rir e chorar.

Enfim, um dia de domingo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s